Fale conosco
Menu

Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia

Compartilhe em:

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Mensagem da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

Hoje quero celebrar todas as pessoas que lutam por um mundo onde lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersexuais possam viver livres de violência e discriminação.

Graças ao árduo trabalho dos defensores dos direitos humanos LGBTIQ+, temos visto muitas mudanças positivas em todo o mundo: descriminalização das relações homossexuais consensuais, adoção de leis que protegem as pessoas LGBTIQ+ da discriminação, reconhecimento da identidade de gênero das pessoas trans, igualdade no casamento, e medidas para combater crimes de ódio, práticas nocivas e promover a inclusão social e econômica.

As pessoas LGBTIQ+ têm direito ao igual respeito por sua dignidade e igual respeito, proteção e cumprimento de seus direitos humanos fundamentais, assim como todos os outros.

E, no entanto, as violações generalizadas continuam: assassinatos, tortura, violência sexual, criminalização, detenção arbitrária. Práticas nocivas como terapia de “conversão”, esterilização forçada, cirurgia e tratamento em pessoas trans e intersexuais, exames degradantes. Estigma generalizado, assédio, bullying e discriminação no trabalho, em casa, na educação, saúde, habitação, esportes e acesso a serviços públicos. E os impactos da pandemia do COVID-19 apenas exacerbaram a exclusão e a desigualdade.

Apesar dos avanços, as relações homossexuais consensuais ainda são criminalizadas em cerca de 70 países. Apenas um em cada três países protege legalmente as pessoas da discriminação com base na orientação sexual, apenas um em cada dez protege as pessoas com base na identidade de gênero e apenas alguns com base nas características sexuais.

Estou preocupada com o assédio contínuo contra defensores de direitos humanos LGBTIQ+, restrições discriminatórias à liberdade de expressão, associação e reunião pacífica e novas medidas discriminatórias propostas em vários países, incluindo alguns que visam especificamente pessoas trans.

Exorto os Estados a agirem rapidamente para revogar leis discriminatórias, proibir práticas prejudiciais, inclusive em ambientes médicos, combater crimes de ódio e violência, adotar leis e políticas antidiscriminatórias abrangentes, reconhecer legalmente a identidade de gênero de pessoas trans com base na autoidentificação, reconhecer casais do mesmo sexo e proteger os defensores dos direitos humanos LGBTIQ+.

Enfrentar essas questões não requer apenas mudanças nas leis e políticas – também requer maior aceitação, apoio e celebração das pessoas LGBTIQ+ por todos na sociedade, inclusive dentro da família.

Então, hoje estamos lançando uma nova campanha temática da ONU Livres e Iguais* celebrando famílias diversas que aceitam e apoiam seus membros para prosperar, não importa quem sejam ou a quem amem. A campanha convida cada um de nós a defender os direitos humanos das pessoas LGBTIQ+ e as famílias inclusivas e solidárias, em toda a sua diversidade.

As Nações Unidas continuarão a defender os direitos humanos de todos, incluindo pessoas LGBTIQ+ – hoje e todos os dias.

* A campanha da Livres & Iguais da ONU promove direitos iguais e tratamento justo para os direitos humanos das pessoas LGBTIQ+ em todo o mundo. A campanha envolve o público e os formuladores de políticas para promover a aceitação social e mudanças positivas nas leis e políticas. Uma nova campanha temática sobre famílias foi lançada em 16 de maio no site da campanha e no Facebook, Instagram e Twitter com um vídeo e outros ativos celebrando diversas famílias que oferecem amor, apoio e cuidado a todos os membros da família – incluindo aqueles que são LGBTIQ+.

FIM

Fonte: OHCHR

Se preocupa com o mundo em que vivemos? Então DEFENDA os direitos de alguém hoje #Standup4humanrights e visite a página da web em http://www.standup4humanrights.org

ODS Relacionados

Rolar para cima