Fale conosco
Menu

CIDH e ONU Direitos Humanos celebram a entrada em vigor do Acordo de Escazú

Compartilhe em:

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Comunidades participam em iniciativa para recuperar manguezais nas costas cubanas.
Por ocasião do dia 22 de abril, Dia Internacional da Mãe Terra

Bogotá / Cidade da Guatemala / Cidade do México / Cidade do Panamá / Santiago do Chile / Tegucigalpa / La Paz / Washington, D.C., 21 de abril de 2021 – No âmbito do Mecanismo de Ações Conjuntas para contribuir para a proteção dos defensores dos direitos humanos nas Américas e por ocasião do Dia Internacional da Mãe Terra, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), sua Relatoria Especial sobre Direitos Econômicos, Culturais e Ambientais (REDESCA) e as presenças do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos na América Latina (ONU Direitos Humano) celebram a entrada em vigor do Acordo de Escazú. A CIDH e a ONU Direitos Humanos destacam o papel essencial das pesssoas defensoras da terra, do território e do meio ambiente na consolidação da democracia, do estado de direito e do desenvolvimento sustentável, e apelam aos Estados para que protejam seu trabalho.

Em 22 de abril de 2021, entra em vigor o Acordo Regional sobre Acesso à Informação, Participação Pública e Acesso à Justiça em Assuntos Ambientais na América Latina e no Caribe, o Acordo de Escazú, o primeiro tratado ambiental que contém disposições específicas para a promoção e proteção de pessoas defensoras do meio ambiente.

A entrada em vigor do Acordo de Escazú é um passo significativo para a proteção daquelas/es que defendem o meio ambiente e a terra, já que a América Latina é considerada uma das regiões mais perigosas para o seu essencial trabalho. Neste sentido, a CIDH, sua REDESCA e a ONU Direitos Humanos saúdam os países que ratificaram este acordo, encorajam os países que ainda não o fizeram a fazê-lo prontamente e instam todos os Estados da região a desenvolverem processos participativos, através de planos de ação nacionais, para sua efetiva implementação.

A defesa dos direitos humanos e do meio ambiente é uma atividade legítima e necessária, cuja promoção e proteção deve ser garantida pelos Estados. Apesar da importância de seu trabalho, a CIDH, sua REDESCA e a ONU Direitos Humanos têm observado os riscos e ataques que as pessoas que defendem e promovem os direitos à terra, ao território e ao meio ambiente na região enfrentam continuamente: episódios de assédio, ameaças, criminalização e estigmatização, ataques contra suas vidas e contra a sua integridade pessoal e de suas famílias.

Os riscos que enfrentam as pessoas defensoras da terra, do território e do meio ambiente têm um efeito assustador que vai além das vítimas diretas, pois ameaça paralisar as atividades de defesa cruciais para o futuro do planeta e da humanidade.

Na América Latina, um grande número de ataques contra pessoas defensoras do meio ambiente ocorre no contexto de projetos de mineração, turismo, hidroelétricas e agroindustriais aprovados e implementados sem o devido respeito ao direito de consulta e ao consentimento livre, prévio e informado dos povos indígenas e das comunidades afrodescendentes.

A gestão da pandemia da COVID-19 resultou na limitação do direito de participação das pessoas defensoras dos direitos humanos, incluindo ativistas ambientais, bem como do acesso efetivo à informação e à justiça. Reduziu-se a capacidade e a vontade dos Estados de controlar os crimes ambientais, proteger a natureza, as terras e territórios indígenas, e uma erosão dos mecanismos para assegurar que indivíduos e organizações da sociedade civil possam participar plenamente na tomada de decisões.

A CIDH, sua REDESCA e a ONU Direitos Humanos instam os Estados a cumprirem seu dever de proteger a vida e a integridade pessoal daquelas/es que defendem os direitos humanos e o meio ambiente. Para isso, é fundamental reconhecer de maneira pública e inequívoca a importância de seu trabalho, fortalecer a investigação e o julgamento de crimes dos quais que são vítimas, evitar o uso indevido do direito penal contra essas pessoas e adotar políticas públicas integrais de proteção, incluindo medidas específicas para proteger as mulheres defensoras.

A CIDH, sua REDESCA e a ONU Direitos Humanos também incentivam os Estados da região a buscar alternativas para que suas instituições públicas tenham uma presença ativa nos territórios mais afetados pela violência, particularmente através de sua capacidade institucional, civil, de desenvolvimento e ambientalista, para promover os direitos e proteger as pessoas defensoras da terra, do território e do meio ambiente.

FIM

  • O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) é a principal entidade das Nações Unidas no campo dos direitos humanos. A Assembleia Geral delegou à Alta Comissária e ao seu escritório a missão de promover e proteger todos os direitos humanos de todas as pessoas. A ONU Direitos Humanos proporciona assistência na forma de competências técnicas e capacitação para apoiar a implementação de padrões internacionais de direitos humanos. A ONU Direitos Humanos ajuda os governos, que têm a responsabilidade primordial de proteger os direitos humanos, a cumprir suas obrigações e apoia indivíduos na reivindicação de seus direitos. Além disso, denuncia objetivamente as
  • A CIDH é um órgão principal e autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo mandato surge a partir da Carta da OEA e da Convenção Americana sobre Direitos Humanos. A Comissão Interamericana tem como mandato promover a observância e defesa dos direitos humanos na região e atua como órgão consultivo da OEA na temática. A CIDH é composta por sete membros independentes, que são eleitos pela Assembleia Geral da OEA a título pessoal, sem representarem seus países de origem ou de residência.
  • REDESCA é um escritório da CIDH com independência funcional e especialmente criado para apoiar a Comissão no cumprimento de seu mandato de promover e proteger os direitos econômicos, sociais, culturais e ambientais no continente americano.

Para solicitações de imprensa na CIDH e às presenças nacionais e regionais do ACNUDH nas Américas:

Te preocupa o mundo em que vivemos? Então APOIE os direitos de alguém hoje.#ApoieosDireitosHumanos e visite a página web em http://www.standup4humanrights.org

ODS Relacionados

Rolar para cima