Fale conosco
Menu

Chefe de Direitos Humanos da ONU pede ação transformadora imediata para erradicar o racismo sistêmico

Compartilhe em:

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on print

GENEBRA (28 de junho de 2021) — A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, emitiu na segunda-feira um apelo urgente aos Estados para que adotem uma “agenda transformadora” para erradicar o racismo sistêmico, ao publicar um relatório que lança luz sobre a litania das violações dos direitos econômicos, sociais, culturais, civis e políticos sofridas pelas pessoas afrodescendentes — diariamente e em diferentes Estados e jurisdições.

O relatório afirma que a mobilização mundial de pessoas pedindo por justiça racial forçou um acerto de contas muito atrasado com o racismo e deslocou os debates para um foco na natureza sistêmica do racismo e as instituições que o perpetram.

“O status quo é insustentável”, disse a Alta Comissária Bachelet. “O racismo sistêmico precisa de uma resposta sistêmica. É preciso haver uma abordagem abrangente, em vez de fragmentada, para desmantelar sistemas arraigados em séculos de discriminação e violência. Precisamos de uma abordagem transformadora que aborde as áreas interconectadas que impulsionam o racismo e levam a tragédias repetidas, totalmente evitáveis, como a morte de George Floyd.”

“Estou pedindo a todos os Estados que parem de negar e comecem a desmantelar o racismo; para acabar com a impunidade e construir confiança; para ouvir as vozes das pessoas afrodescendentes; e para confrontar legados do passado e fornecer reparação.”

O Escritório de Direitos Humanos da ONU foi solicitado, em junho de 2020, pela resolução 43/1 do Conselho de Direitos Humanos — na sequência do assassinato de George Floyd nos Estados Unidos —, a produzir um relatório abrangente sobre racismo sistêmico, violações dos direitos humanos, no âmbito do direito internacional, contra pessoas africanas e afrodescendentes por instituições de aplicação da lei, respostas do governo a protestos pacíficos antirracismo, bem como responsabilização e reparação para as vítimas.

A análise realizada pelo Escritório é baseada em consultas online com mais de 340 indivíduos, a maioria afrodescendentes; mais de 110 contribuições escritas, inclusive com os Estados; em uma revisão de material publicamente disponível; e em consultas adicionais com especialistas relevantes.

O relatório detalha as “desigualdades agravantes” e a “forte marginalização socioeconômica e política” que afligem as pessoas afrodescendentes em muitos Estados. Em vários países, principalmente na América do Norte e do Sul e na Europa, as pessoas afrodescendentes vivem desproporcionalmente na pobreza e enfrentam sérias barreiras no acesso a seus direitos à educação, saúde, emprego, moradia adequada e água potável, bem como à participação política e outros direitos humanos fundamentais.

“A desumanização das pessoas afrodescendentes […] sustentou e cultivou a tolerância para a discriminação racial, desigualdade e violência”, diz o relatório.

Ao examinar as mortes cometidas por agentes de aplicação da lei em diferentes países com sistemas jurídicos diversos, o relatório encontrou “semelhanças impressionantes” e padrões — inclusive nos obstáculos que as famílias enfrentam para ter acesso à justiça.

Embora haja uma falta de dados desagregados oficiais abrangentes em países individuais em relação aos assassinatos de pessoas afrodescendentes pela polícia, uma colcha de retalhos de dados disponíveis desenha “um quadro alarmante de impactos desproporcionais e discriminatórios em todo o sistema sobre afrodescendentes em seus encontros com os sistemas de aplicação da lei e de justiça criminal em alguns Estados”, diz o relatório. 

O relatório apresenta três contextos principais nos quais as fatalidades relacionadas com a polícia ocorreram com mais frequência: o policiamento de delitos menores, paradas no trânsito e buscas; a intervenção de agentes da aplicação da lei como primeiros socorristas em crises de saúde mental; e a condução de operações policiais especiais no contexto da “guerra às drogas” ou operações relacionadas com gangues. Em muitos dos casos examinados, as informações compartilhadas indicam que as vítimas não pareciam representar uma ameaça iminente de morte ou ferimentos graves aos encarregados da aplicação da lei, ou ao público, que justificasse o nível de força usado.

A análise da Alta Comissária sobre 190 mortes demonstrou que os agentes de aplicação da lei raramente são responsabilizados por violações dos direitos humanos e crimes contra pessoas afrodescendentes, em parte devido a investigações deficientes, falta de supervisão independente e robusta, e também de mecanismos de reclamação e responsabilização, além de uma generalizada “presunção de culpa” contra as pessoas afrodescendentes. Com raras exceções, as investigações, processos, julgamentos e decisões judiciais deixam de considerar o papel que a discriminação racial, os estereótipos e o preconceito institucional podem ter desempenhado nas mortes. Sete casos ilustrativos foram examinados com especial atenção: Luana Barbosa dos Reis Santos e João Pedro Matos Pinto (Brasil); George Floyd e Breonna Taylor (Estados Unidos); Kevin Clarke (Reino Unido); Janner (Hanner) García Palomino (Colômbia) and Adama Traoré (França).

As famílias daquelas pessoas que morreram após um encontro com policiais disseram à equipe de direitos humanos da ONU sobre seu desejo fervoroso de estabelecer a verdade sobre como seus entes queridos morreram, responsabilizar os responsáveis ​​e evitar que outras pessoas sofram um destino semelhante. Muitas das famílias “se sentiram continuamente traídas pelo sistema” e falaram de “uma profunda falta de confiança”, observa o relatório, acrescentando que “muitas vezes recai sobre as vítimas e suas famílias lutar pela responsabilização sem o apoio adequado”.

“Várias famílias me descreveram a agonia que enfrentaram na busca por verdade, justiça e reparação — e a angustiante presunção de que seus entes queridos de alguma forma ‘mereciam’”, disse Bachelet. “É desanimador que o sistema não esteja se esforçando para apoiá-las. Isso deve mudar.”

O relatório também apresenta preocupações com o “policiamento excessivo de corpos e comunidades negras, fazendo-os se sentirem ameaçados em vez de protegidos”, citando a criminalização de crianças afrodescendentes como uma questão fundamental.

Alegações confiáveis ​​e consistentes também foram recebidas sobre o tratamento diferenciado e o uso desnecessário e desproporcional da força no contexto de protestos antirracismo, especialmente nos Estados Unidos. Nesse contexto, um grande número de manifestantes foi preso, observa o relatório, e houve vários comentários depreciativos de oficiais contra os manifestantes, incluindo a rotulação como “terroristas” e “anarquistas e agitadores doentes e perturbados”.

O relatório afirma que, embora as acusações tenham sido retiradas contra a maioria das pessoas presos, “a repressão aos protestos antirracismo que ocorreu em alguns países deve ser vista dentro de um contexto mais amplo no qual os indivíduos que se levantam contra o racismo enfrentam represálias, incluindo assédio, intimidação e às vezes violência.”

“As vozes daqueles que buscam justiça racial e igualdade para as pessoas afrodescendentes devem ser ouvidas e atuadas”, diz o relatório, acrescentando que o ativismo da sociedade civil é “crucial para o avanço de ideias e objetivos aspiracionais no domínio público como uma forma construtiva de afetar a mudança”.

“O movimento Black Lives Matter [Vidas Negras Importam] e outros grupos da sociedade civil liderados por pessoas afrodescendentes tem proporcionado liderança de base através da escuta das comunidades”, disse Bachelet. “Eles também estão proporcionando às pessoas a agência e a autonomia necessárias para que reivindiquem seus direitos humanos. Esses esforços devem receber financiamento, reconhecimento público e apoio.”

As recomendações do Alta Comissariado incluíam que o Conselho de Direitos Humanos estabeleça um mecanismo específico, com prazo determinado, ou fortaleça um mecanismo existente para promover a justiça e igualdade racial no contexto da aplicação da lei em todas as partes do mundo.

O relatório também identifica uma “necessidade há muito esperada de confrontar os legados da escravidão, o comércio transatlântico de pessoas africanas escravizadas e o colonialismo, e de buscar justiça reparadora”.

Embora o relatório destaque algumas iniciativas locais, nacionais e regionais promissoras para buscar a busca da verdade e de formas limitadas de reparação, incluindo memorialização, reconhecimentos, desculpas e litígios, “nenhum Estado prestou contas de forma abrangente pelo passado ou pelo impacto atual do racismo sistêmico.” Em vez disso, permanece uma falha generalizada em reconhecer a existência e o impacto do racismo sistêmico e suas ligações com a escravidão e o colonialismo.

A Alta Comissária exortou todos os Estados a adotarem reformas e respostas de “todo o governo” e “toda a sociedade”, por meio de planos de ação nacionais e regionais com recursos adequados e medidas concretas desenvolvidas por meio de diálogos nacionais, com a participação e representação significativas de pessoas afrodescendentes.

Ela enfatizou a importância de “desmascarar as falsas narrativas que permitiram a persistência de uma sucessão de políticas e sistemas racialmente discriminatórios e possibilitaram que as pessoas e os governos negassem tanto o que ainda está acontecendo agora, quanto o que aconteceu no passado”.

“Os Estados devem mostrar uma vontade política mais forte para acelerar a ação por justiça, reparação e igualdade racial por meio de compromissos específicos e com prazo determinado para alcançar resultados. Isso envolverá a reinvenção do policiamento e a reforma do sistema de justiça criminal, que sempre produziu resultados discriminatórios para pessoas afrodescendentes”, disse Bachelet. “É essencial que finalmente ajamos para garantir que ciclos e padrões problemáticos não continuem se repetindo. Não há desculpa para continuar evitando mudanças verdadeiramente transformadoras. Meu escritório está pronto para ajudar os Estados a buscarem mudanças transformadoras em direção à justiça e igualdade.”

“A discriminação racial na aplicação da lei não pode, como o Conselho de Direitos Humanos reconheceu, ser separada das questões de racismo sistêmico”, concluiu a Alta Comissária. “Somente abordagens que interpelem as deficiências endêmicas na aplicação da lei e abordem o racismo sistêmico — e os legados sobre os quais ele se baseia — farão justiça à memória de George Floyd e de tantas outras pessoas cujas vidas foram perdidas ou irreparavelmente danificadas.”

Para encontrar o Relatório completo, e o documento detalhado da Sala de Conferência que o acompanha, acesse:  OHCHR | Implementation of Human Rights Council resolution 43/1

Material de vídeo disponível para emissoras:

Comentário da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, em inglês, espanhol e português. Todo o material está disponível para download no seguinte link: https://vimeo.com/user/98071428/folder/4803673

Também disponíveis: excertos de uma entrevista conduzida pelo Escritório de Direitos Humanos da ONU com Philonise Floyd. Este material está disponível para download no seguinte link: https://vimeo.com/567055439

FIM

Para mais informações e solicitações de mídia, entre em contato com:
Rupert Colville + 41 22 917 9767 / rcolville@ohchr.org ou
Ravina Shamdasani – + 41 22 917 9169 / rshamdasani@ohchr.org ou
Liz Throssell + 41 22 917 9296 / ethrossell@ohchr.org

Fonte: ONU Direitos Humanos

Video

Preocupado com o mundo em que vivemos? Então defenda os direitos de alguém hoje.#Standup4humanrights e visite a página da web em http://www.standup4humanrights.org

ODS Relacionados

Rolar para cima