Contacto
Menu

Experto ONU pide prohibición de desalojos durante la pandemia

Comparte en:

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Foto: Banco Mundial

GENEBRA (18 de agosto de 2020) — Alertando sobre um tsunami iminente de despejos, o especialista da ONU em direitos à moradia pediu hoje aos governos em todo o mundo que interrompam todos os despejos até o fim da pandemia do COVID-19.

“Estou alarmado com o aumento global de despejos forçados”, disse Balakrishnan Rajagopal, relator especial da ONU para o direito à moradia. “O direito à moradia é fundamental para qualquer resposta à pandemia, mas agora estamos vendo uma aceleração nos despejos e demolições de casas.”

“Perder sua casa durante esta pandemia pode significar perder sua vida”, acrescentou. “Os direitos à vida e à moradia adequada estão intrinsecamente ligados.”

Embora alguns governos tenham posto em prática proibições temporárias de despejos forçados, muitas pessoas continuam perdendo suas casas. Mais de 11.000 pessoas foram expulsas de suas casas no Brasil e no Quênia, e outras estão em risco de despejo. A relocação forçada é uma ameaça em países como o Haiti e está aumentando em muitos outros, e Rajagopal enfatizou que esse é um perigo global.

“As proibições temporárias em muitos países terminaram ou estão chegando ao fim, e isso levanta sérias preocupações de que um tsunami de despejos possa ocorrer”, alertou. “Os governos não devem permitir que as pessoas fiquem desabrigadas durante esta pandemia porque perderam o emprego e não podem pagar o aluguel ou a hipoteca.”

Uma moratória também é essencial para a limpeza de acampamentos ou barracas de moradores de rua, disse ele.

“Os despejos forçados são uma violação ultrajante dos direitos humanos, incluindo o direito à moradia adequada”, disse Rajagopal. “Durante uma pandemia, quando as pessoas são solicitadas a ficar em casa para se protegerem e aos outros, os despejos forçados são ainda mais odiosos e podem constituir graves violações do direito humanitário.” Ele alertou que quando as pessoas são privadas de abrigo, elas se tornam mais vulneráveis ao COVID-19 “e isso aumenta o risco de contágio generalizado”.

“Apelo a todos os Estados para que cumpram as suas obrigações de direitos humanos e garantam que ninguém seja deixado numa posição de crescente vulnerabilidade ao COVID-19”, disse ele.

Indivíduos, famílias ou comunidades que já foram despejadas devem ter acesso garantido à justiça, disse ele. Ele pediu aos governos que sigam a nota de orientação sobre despejos forçados durante a pandemia do COVID-19 emitida por seu antecessor.

FIM

O Sr. Balakrishnan Rajagopal (Estados Unidos) é o Relator Especial da ONU para  moradia adequada como componente do direito a um nível de vida adequado e do direito à não discriminação neste contexto. Ele assumiu seu mandato em maio de 2020. O Sr. Rajagopal é professor de Direito e Desenvolvimento no Departamento de Estudos e Planejamento Urbanos do MIT, e fundador da Rede de Pesquisa e Ação sobre Deslocamentos do MIT. Ele conduziu mais de 20 anos de pesquisas sobre movimentos sociais e defesa dos direitos humanos em todo o mundo, concentrando-se em particular nos direitos à terra e à propriedade, despejos e deslocamentos. Ele é formado em direito pela Universidade de Madras, na Índia, possui mestrado em direito pela American University e doutorado interdisciplinar em direito pela Harvard Law School. Atuou como consultor em direitos humanos da Comissão Mundial de Barragens, junto ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos no Camboja. Ele publicou vários livros e artigos acadêmicos, incluindo relatórios de pesquisa sobre despejos, deslocamentos, direitos humanos e moradia.

Os Relatores Especiais fazem parte do que é conhecido como Procedimentos Especiais do Conselho de Direitos Humanos. Procedimentos Especiais, o maior órgão de especialistas independentes no sistema de Direitos Humanos da ONU, é o nome geral que recebem os mecanismos independentes de investigação e monitoramento do Conselho, que abordam situações específicas de países ou questões temáticas em todas as partes do mundo. Os especialistas dos procedimentos especiais trabalham voluntariamente; não são funcionários da ONU e não recebem salário por seu trabalho. São independentes de qualquer governo ou organização e servem em sua capacidade individual.

Para obter mais informações e solicitações de mídia, entre em contato com Gunnar Theissen (gtheissen@ohchr.org) ou. Stefania Errico (spbconsultant7@ohchr.org).

Para perguntas da mídia sobre outros especialistas independentes da ONU, entre em contato com Renato de Souza (+41 22 928 9855 / rrosariodesouza@ohchr.org) e Kitty McKinsey (kmckinsey@ohchr.org)

Siga as notícias relacionadas aos especialistas independentes em direitos humanos da ONU no Twitter @UN_SPExperts.

Fonte: ONU Direitos Humanos

Preocupado/a com o mundo em que vivemos? Então LEVANTE-SE para os direitos de alguém hoje.  #Standup4humanrights e visite a página web em http://www.standup4humanrights.org

Objetivos de Desarrollo Sostenible Relacionados

Ir arriba